Artigos‎ > ‎

Entrevista ao jornal "Folha do Servidor Público"

postado em 15 de ago de 2010 14:04 por Marcio Gessoni   [ 28 de ago de 2010 07:54 atualizado‎(s)‎ ]
Olá! 

Fui entrevistado pelo pessoal do jornal "Folha do Servidor Público" e gostaria de compartilhar com vocês uma parte da matéria e o link da edição completa.

Disfrutem das dicas!

- Robinson



Como as técnicas de memorização podem ajudar no dia a dia?

No planejamento de discursos, atas de reuniões, projetos e apresentações. Desenvolve a visão global, aumenta a produtividade e consequentemente a rentabilidade. 

Acelera o raciocínio para decidir melhor e aumenta o estado de concentração. Otimiza o funcionamento cerebral e potencializa a capacidade mental por utilizar o lado racional/lógico e emocional/criativo do cérebro, estimulando a geração de ideias, facilitando o seu dia a dia em organização de projetos e metas pessoais. Evita os famosos brancos na memória. 

É uma forma de “aprender a aprender”.

Assimilar nova técnica não linear de anotações de livros, aulas, apostilas e suas aplicações, garantindo o registro, a retenção e a recuperação das informações. Como controlar a ansiedade, o estresse e a preparação para passar em provas e exames.

IMPORTANTE:
  • Cultive uma atitude mental positiva em relação à vida.
    Fatores emocionais como estresse, ansiedade, depressão, entre outros, são alterações do afeto ou humor, que influenciam a memória.
  • Acredite na capacidade de memorização, isto faz com que ela funcione melhor.
  • Seja uma pessoa mais organizada. A desorganização dificulta a codificação, a armazenagem e o resgate da informação.
  • Gerencie o tempo. A memória pode ser prejudicada pelo excesso de informações. Perceba a diferença entre o que é importante e urgente.
  • Aprenda a lidar melhor com a tecnologia. Além de o estado emocional e fisiológico interferir na memória, a tecnologia também pode atrapalhar.
  • Estimule as funções intelectuais com jogos como dominó, xadrez ou cartas com os amigos, palavras cruzadas, desenhos, atividades artísticas e a leitura, que cria diversos caminhos pelo seu cérebro.